domingo, 13 de setembro de 2009

Futebol: Gladiadores do Sec XI


Ah, o futebol. Esporte incrível, de raça, habilidade, força (literalmente), persistência, faz circular a economia - todo o ano, bilhões de dólares mal gastos -, permite às pessoas ganhar tônus muscular - não só jogadores, mas os torcedores pugilistas também -, em fim... Futebol é uma linguagem mundial. Isso é um feito incrível, já que, além do futebol, só há outra linguagem que poderíamos chamar de mundial: a guerra. O bacana é que os dois estão juntos. Futebol sem guerra não é mais futebol.

Mas antes de tudo, um pouco de cultura:

  • O futebol, como conhecemos, foi desenvolvido na Inglaterra por volta do sec. XVII, inicialmente jogado pela nobreza da época. O esporte foi sistematizado e regularizado. Por conta de suas regras simples, o esporte logo ganhou prestígio entre o povão e passou a ser praticado por qualquer pobre coitado que tivesse uma esfera com ar dentro ou não. Depois disso até criaram o goleiro, que não existia até 1871. Depois disso aconteceu um monte de coisa chata, até que criaram a FIFA em 1904. Depois disso, tudo ficou como conhecemos.

É, esse é o futebol, praticado por centenas de pessoas. Mas isso aqui não é uma aula de história. Essa porcaria toda ai em cima foi só a introdução da merda toda que eu vou falar. Eu disse merda, por que é isso mesmo o que o futebol está virando. É, caro leitor, é isso mesmo que o nosso esporte querido está virando. Ou vai dizer que estou mentindo? A começar pelos jogadores. Não se sabe o que tais criaturas têm na cabeça. Não ha indícios de que tenham estudado alguma coisa alguma vez na vida em algum lugar desse planeta. Geralmente são favelados ou pobretões que param de estudar quando entram em algum clube. Acho que não há problema em ser favelado ou pobretão. Até por que eu sou pobretão e o bairro que eu moro parece uma favela, mas as pessoas estudam aqui. Deve ser por que ninguém ainda conseguiu entrar para algum clube grande. Até por que, pra quê estudar se dá pra ganhar um milhão de dólares por cada chute que você dá na bola? E eu não estou mentindo não. Você sabe disso. Uma prova são as entrevistas no fim dos jogos. Se você nunca assistiu, assista, é engraçado. Inútil, mas engraçado. Vai lá o cara da globo, com a camiseta azul, segurando o microfone com aquela tarja branca e feia, e para o primeiro que encontra:

- Galvão, tamo aqui com o Minero Pernambucano. Ele vai falar um pouco do jogo de hoje. Minero, como você acha que foi o jogo? Foi boa sua participação nele? Você entrou no finalzinho do primeiro tempo e participou do primeiro gol. Você acha que esse gol garantiu sua permanência como titular? E o segundo gol na metade do segundo tempo, foi o que deu a vitória da equipe? E quanto ao técnico, ele saiu bravo. O que você acha que ele vai falar no vestiário?

- É, o jogo foi um jogo bom, e foi boa minha participação no jogo. Eu entrei no finalzinho do primeiro tempo e participei do primeiro gol. Eu acho que esse gol garantiu minha permanência como titular. E o segundo gol na metade do segundo tempo foi o que deu a vitoria ao time. Mas o técnico saiu bravo. Vamo vê o que ele vai falá no vestiário.

O jogador sai e vai embora. É sempre assim, jogadores nunca respondem as perguntas que as pessoas fazem a eles. Eles repetem as perguntas, só que colocando as frases em primeira pessoa e tirando os pontos de interrogação. Pelo menos nas aulas de conjugação de verbos eles não faltaram.

O mais engraçado nos jogadores é que eles são os únicos que não torcem pra nenhum time. Tão sempre trocando de equipe em busca de quem lhes enfiar mais dinheiro no bolso. Pra quê torcer se bilhões de desocupados fazem isso o tempo todo?

Uma coisa interessante quanto aos jogadores é que não precisa mais saber jogar bem para ser jogador profissional. Não tem nem que saber jogar futebol. Se você já é um bom pugilista, um levantador de alteres, se você é fortinho já dá pra entrar em um time profissional. Ao longo de anos e anos do esporte, o futebol se tornou um jogo onde não precisa saber jogar, é só conseguir empurrar, socar, ou praticar algum tipo de violência. Jogadores não jogam mais nada. Não é preciso jogar quando se tem a camisa do adversário na frente. Dá um puxão nela, oras. Não tente roubar a bola, dê uma rasteira. Quem sabe uma cotovelada no olho pra tapar a visão da bola. É muito simples, não tem que jogar direito. Cada vez mais jogadores fortões estão saindo dos ringues e vindo para o nosso futebolzinho. Mal sabem eles que estão no esporte errado. Futebol americano é ali em cima, seguindo pela America central, virando a direita no México, indo até os EUA. Quem sabe nossos jogadores não sejam bons de verdade, sejam fortes. Se fossem bons jogariam com os pés.

Falando sobre força, um assunto me vem à mente. A gente assiste, gosta de futebol, mas esse não é o espetáculo principal. A parte legal é ver, sempre depois dos jogos, a batalha de gladiadores do século XI. De um lado, 700 imbecis, bravos soldados a serviço da honra de seus times. Armados até os dentes com paus e pedras, lutando juntos, um ao lado do outro.Não se deixam abalar por nada. Do outro 800 babacas, os donos da casa, que exigem respeito. Com pedaços de vidro e latinhas de cerveja cheias de urina, eles encaram o que vier pela frente. Todos animais idiotas. Acham que estão fazendo um bem ao time se forem lá dar uma surra da torcida adversária. Muitos desses palhaços – por que a rua vira um verdadeiro circo dos horrores – vão aos estádios só para brigar depois do jogo. Meu, por que essa bicharada toda não morre? Os caras não tão nem ai, massacram tudo o que estiver pela frente. Desde carros á crianças. Não querem saber de nada. E o pior é que não respeitam nem a polícia. Ai já é outra palhaçada paralela, por que os policiais são chamados para, simplesmente, ficarem parados no meio da rua, jogando água e fumaça nos torcedores possuídos. Não to falando que a culpa é da polícia, longe disso, estou falando que a culpa é daqueles urubus dos Direitos Humanos que partem pra cima das autoridades se verem um policial com o cassetete tentando domar aqueles animais. Vão pro inferno vocês! Que direitos humanos que nada. Esquece as balas de borracha. Só dá pra controlar com bala de chumbo mesmo. O camarada que vai pra um estádio de futebol, vê a merda do time dele ganhar uma lavada, e sai pra briga por causa disso não merece ser chamado de HUMANO. Pessoas assim estão abaixo da categoria ANIMAIS, abaixo até que INSETOS. Eu classificaria como FEZES, ou menos. Faltam sim leis para esse povo. Não merecem direitos humanos. Quem não tá envolvido, tem que ser protegido. A cidade não merece ter uma turba de vândalos escandalizando a população e destruindo tudo o que vêem. É claro, infelizmente não dá pra seguir a minha orientação e sair dando tiros em todo mundo, assim pode ser que atinjam alguém que não tem nada a ver com a situação, mas umas boas pancadas, leis mais rígidas, e menos interferência dos imbecis dos D.H., que deixam os policiais com as mãos atadas, serviriam para melhorar a situação. O ruim é quando os próprios jogadores resolvem brigar em campo. Ai não tem jeito. Nesses casos, o melhor é deixar o pau comer no meio do campo - quem sabe esses animais morrem ou perdem o movimento das pernas - e ir cuidar da torcida pra ela nao destruir o estádio. Assim, pelo menos, podemos assistir um espetáculo de luta livre narrado pelo Galvão.

Recomendo os seguintes videos educativos para sua cultura:

Uma seleção das melhores pancadas entre jogadores - http://www.youtube.com/watch?v=mO9lOhBQ1eE&NR=1&feature=fvwp

Um ótimo manual de Kung Fu no gramado - http://www.youtube.com/watch?v=xTdEuGZQzik&feature=related

Como se não bastasse, até o juiz resolveu encarar - http://www.youtube.com/watch?v=_4x_1hFx9Nw

Olha o juiz de novo - http://www.youtube.com/watch?v=gauavSovs5o&feature=related

Animais que usam a força ao envés dos pés - http://www.youtube.com/watch?v=kl2pVYEB_fU&feature=related

É por isso que eu disse que tem que dar tiro nesse povo - http://www.youtube.com/watch?v=DWlFuiyVUq8 e também http://www.youtube.com/watch?v=5BonCmPnd9s e http://www.youtube.com/watch?v=kKqRHHQeffU

Tirem suas próprias conclusões...


Homenageado do dia: Diego

Me deu vontade de falar desse cara ai hoje. O Diego é meu amigo desde que ele nasceu. Temos dois anos e cinco centímetros de diferença. Ele cresceu mais que eu, embora tenha nascido depois. É um companheraço, tamo em todas, fazendo a festa, zuando com o povo, criando reportagens e filmes, e arrancando risadas da galera.

O Diego é muito legal, muito engraçado. É o tipo de gente que você quer levar pra todo o lugar por que sabe que vai estar bem acompanhado se ele for. A gente tem uma amizade muito sólida, muito adulta, apesar de termos a mentalidade de uma criança. Passamos tanto tempo juntos que já sabemos o que o outro quer, o que o outro tá pensando. É como a conexão que acontece com as duplas nos filmes. O cara pergunta: “ta pensando no que eu to pensando, B1?”, e o outro responde “Eu to B2”, ai falam os dois “Então vamos fazer”. Já sabemos o que cada um faz de melhor diante de uma câmera, já sabemos pontos fracos e fortes, sabemos o quê podemos fazer para melhorar a atuação do outro, o que dá pra fazer pra melhorar as piadas... Com certeza temos uma conexão psíquica ou algo assim. É um cara muito legal de trabalhar junto, de estar por perto... Um amigão, com certeza!

bjo.me.manda.um.recado.no.orkut

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário